Grazmec promove evento sobre a Campo Limpo

A Grazmec em parceria com a Embrapa Pecuária Sul lançaram na terça-feira, 12 de março, durante a 20ª edição da Expodireto Cotrijal, o projeto Capim-annoni Tolerância Zero. O evento de lançamento aconteceu na sede da empresa, em Não-Me-Toque, e contou com a participação de revendedores da máquina Campo Limpo.

O objetivo é divulgar soluções para o controle do capim-annoni e de outras plantas indesejáveis, com o uso do aplicador seletivo de herbicidas Campo Limpo. O roteiro piloto do projeto deve acontecer no final de maio de 2019 em quatro municípios da metade Sul do estado do Rio Grande do Sul. Com projeto de expansão para outras regiões, e até mesmo para outros locais do País.

“O objetivo do tour é levar informação qualificada para o produtor, de forma a contribuir para a diminuição da infestação do capim-annoni e de outras plantas invasoras no Estado. Esse é um movimento que vamos fazer em prol da redução do capim-annoni no Rio Grande do Sul”, comentou Mário Bandeira, gerente comercial da Grazmec.

O pesquisador da Embrapa Pecuária Sul e palestrante da noite Naylor Perez, destacou a importância dos roteiros para informar o público sobre as soluções efetivas existentes para controle de invasoras como o capim-annoni, um dos principais problemas que afligem a pecuária gaúcha. “Não temos hoje como reverter a infestação do capim-annoni sem o uso da roçadeira química, da Campo Limpo. Mas só ela não basta, é preciso usar uma série de práticas constantes no Mirapasto para se chegar a esse objetivo. É isso que queremos melhor divulgar nesses roteiros” disse.

A máquina controla de forma seletiva gramíneas indesejáveis como o capim-annoni. Também controla plantas tóxicas de folha larga, como a maria-mole/flor-das-almas e o mio-mio. Em virtude da diferença de altura que se estabelece entre as plantas forrageiras consumidas pelo gado e as espécies invasoras, que ganham maior altura, somente as plantas indesejáveis entram em contato com os aplicadores de herbicida da Campo Limpo. Essa forma de uso direto, sem a necessidade de pulverização, aumenta a segurança da aplicação, evitando riscos de deriva do produto e de inalação indevida pelo operador, beneficiando o meio ambiente e o homem.

“E a Campo Limpo cada vez mais vem dando resposta positiva para o produtor nesse sentido, uma máquina que tem apresentado um trabalho extremamente eficaz, simples de usar e que cada dia ganha mais notoriedade principalmente com o pecuarista que esta enxergando o ganho que esse equipamento traz para a sua propriedade”, completou o presidente da Grazmec, Antônio Alberi de Mattos.

Presente no evento, o coordenador de formação profissional rural do Senar, Umberto Moraes, destacou a importância de se articularem parcerias para diminuir os prejuízos econômicos causados pela invasora aos pecuaristas. “O Senar se demonstrou parceiro da iniciativa e vai participar dos eventos, ajudando a levar essas informações ao seu público-alvo, que são os produtores rurais”, destacou.

A Grazmec pretende promover mais eventos como este, que tem como objetivo capacitar seus parceiros, para um atendimento com maior eficiência e sanar as dúvidas dos clientes.

Grazmec participa de workshop sobre a Campo Limpo

A Grazmec participou do evento: Controle de capim anonni e outras plantas indesejáveis: experiências com o uso do aplicador seletivo Campo Limpo. A palestras de pesquisadores, usuários da máquina e da Grazmec, aconteceu na cidade de Bagé / RS, e foi promovido pela Embrapa Pecuária Sul.

O evento teve por objetivo mostrar aos pecuaristas e demais produtores rurais a eficácia da Campo Limpo quando se trata de controle de Capim Anonni, muito presente na região do evento. Com tecnologia exclusiva da EMBRAPA e feita em parceria com a Grazmec a Roçadeira foi projetada para o controle seletivo de plantas daninhas, inclusive gramíneas invasoras.

Os resultados da Campo Limpo tem se mostrado muito satisfatórios, uma máquina que cumpre com o objetivo de eliminar as plantas daninhas, sem prejudicar a pastagem e o mais importante, sem espalhar o produto no meio ambiente. A cada ano que se passa, a máquina tem ganhado mais admiradores pelo excelente resultado apresentado e por sua facilidade no uso e na sua manutenção, facilitando assim a logística e o tempo no momento da aplicação.

“A Grazmec está sempre trabalhando para entregar produtos de qualidade e que facilitem a vida do homem no campo, tudo isso aliado a tecnologia e serviços acima da média. Esse evento com a Campo Limpo serve de termômetro para ver a aceitação do produto pelo mercado, e quais são os pontos que devem ser trabalhados para a evolução da máquina. Por isso o workshop além de trabalhar a divulgação de resultado e do próprio equipamento em si, serve como coletor de conteúdo para futuras discussões e melhorias dos nossos equipamento e serviços”, explica Emerson de Mattos diretor de Marketing da Grazmec.

Para a Grazmec esse evento teve grande importância, pois além de ter um contato mais direto com os pesquisadores e idealizadores da máquina para ver quais os rumos que as pesquisas com a Campo Limpo estão tomando, também foi possível sentir a aceitação dos clientes com a máquina e dialogar sobre o que se pode melhorar no equipamento, para quem sabe no futuro deixar mais tecnológica e de prática para o cliente.

Campo Limpo

A campo Limpo é uma máquina projetada para realizar o controle de pragas e ervas daninhas em pastagens, que surgiu da parceria da Grazmec com a EMBRAPA. Sua função é realizar uma “pulverização sem spray”, isto é, essa pulverização só se realiza por contato direto com a planta invasora, através da regulagem vazão e de altura do equipamento, umedecendo o local de contato sem gerar respingos e gotas nos demais locais ou plantas por onde passa.

A Grazmec já possui outras parcerias com a EMBRAPA na área de tratamento de sementes. A ideia para a Campo Limpo surgiu de pesquisadores da Embrapa, liderada pelo agrônomo Neylor Perez da cidade de Bagé Rio Grande do Sul, dos quais desenvolveram um protótipo do produto e realizaram testes de maneira satisfatória, porém necessitavam de alguns ajustes para o perfeito funcionamento. O pesquisador procurou a empresa para o desenvolvimento do produto, colaborando com pesquisas e melhorias, chegando assim na Campo Limpo que é conhecida até hoje.

Ela surgiu da necessidade de controlar o capim annoni nas pastagens da região sul do Brasil, esse capim veio originalmente da África do Sul através de sementes contaminadas, ele é prejudicial pois possui um baixo valor nutritivo para o gado e ocupa o lugar do pasto bom, diminuindo a rentabilidade e a produtividade na propriedade.

Com o auxílio da Campo Limpo o produtor controla as pragas invasoras sem danificar a pastagem boa, e além de controlar o capim Anonni, ela já está ajudando a controlar outras plantas invasoras como: capim navalha, rabo de burro, bufa-de-mineiro em todas as regiões do Brasil. A mesma também está sendo utilizada em locais aonde não pode ocorrer a pulverização, pois ela não espalha nenhum tipo de contaminante, somente trabalha com o contato direto com a planta, não prejudicando o meio ao seu redor.

 Quer saber mais sobre a Campo Limpo, entre em contato com a GRAZMEC.

Dia de Campo promoveu aproximação com clientes do MS

O Dia de Campo Agro Campo, realizado na cidade de Amambai, no Mato Grosso do Sul, reuniu 54 clientes, que tiveram a oportunidade de conhecer melhor e de perto as máquinas e implementos. O Dia de Campo aconteceu no dia 15 de fevereiro e teve a participação da Grazmec em parceria com as empresas Matsuda e Fertilizantes Heringer.

“Ações como esta são importantes para aumentar a aproximação com o cliente, pois nestas oportunidades eles podem tirar dúvidas e conhecer a fundo a qualidade dos produtos que temos a oferecer”, avalia o representante do MS, Luciano Giraldi de Andrade, o “Caipira”.

O foco do dia de campo foi a apresentação da roçadeira química Capo Limpo, um implemento com tecnologia exclusiva da EMBRAPA, projetado para o controle seletivo de plantas daninhas, inclusive gramíneas invasoras.

A Campo Limpo é sucesso entre os produtores pois, reduz o risco de deriva porque não pulveriza, somente umidifica a planta; e é resistente à corrosão, oferecendo grande autonomia de trabalho; dentre outros benefícios.